Featured Slider

Tempestade



Quantas vezes a gente não se perde no meio das nossas tempestades interiores? Turbilhões de problemas, confusões, atribulações e a sensação de que tudo só resolve acontecer de uma só vez! Uma coisa atrás da outra, sem pausa pra respirar, sem folga e sem previsão de retornar à águas mais calmas. As mãos estão lá, firmes em qualquer coisa que possa oferecer um suporte.

Nos agarramos com força àquilo. Achamos que a nossa sobrevivência depende daquele porto seguro e apenas ele pode nos salvar. O quão enganados estamos? A verdade é que as vezes só precisamos nos deixar levar. Abrir a mão, soltar e aceitar os rumos que essa tempestade vai nos levar. Aprender a lidar com os ventos, ajustar as velas aos problemas que aparecem e conseguir naufragar com maestria, mesmo na mais intensa tempestade.

Os problemas vão nos ensinando, vamos evoluindo e melhorando nosso psicológico que cada vez vai ficando mais forte e mais confiante. Aos poucos conseguimos encarar e passar por coisas que antes pareciam impossíveis. Acredite que seja lá qual for o problema, uma hora vai passar e se tudo vai se resolver. Podemos apenas resolver aquilo que nos compete e o que não for da nossa alçada, deixe que vá e se resolva onde deve ser resolvido. Siga em frente e sem medo. Sempre.

Imperfeições



As vezes eu só queria poder ser eu mesma. Sempre. E não as fachadas que as vezes preciso usar ao longo do dia. Poder aceitar e conviver com todas as minhas imperfeições. As minhas milhões de imperfeições, meus tocs, meus surtos e tudo o que pode ser incluído nesse pacote. Não precisar mudar meu jeito de falar ou de agir por obrigação.

Poder ser livre e ficar a vontade com qualquer roupa. Deixar de lado preocupações bobas se a barriga tá marcando na roupa, se a celulite vai aparecer no short ou se os cabelos brancos estão cada vez mais aparentes. Não é nada fácil. Principalmente quando a autoestima grita que nada disso é aceitável.

Aceitação. Esse pode ser o primeiro passo. Na teoria eu entendo que o corpo humano possui limitações e tudo o que eu descrevi apenas me torna única, mas na prática a coisa vai bem pelo outro lado. A necessidade de se encaixar em padrões sendo empurrada goela abaixo em diversas situações é algo cansativo e nem consigo descrever em palavras o quão cansativo torna a convivência.

Aceitação. Esse é o primeiro passo que eu vou dar.

Dias ruins



Quando temos depressão não importa quantos dias bons temos no mês, se temos um ruim é nisso que nos baseamos. Ficamos apegados a esse dia que as coisas não deram certo ou que não conseguimos sair da cama. Que não cumprimos a meta diária de passos, nem as obrigações com a casa. Aquele copo na pia parece um fantasma nos perseguindo.

Uma das melhores formas de lidar com isso é aceitar. Tudo bem ter um dia ruim, tudo bem não estar bem, tudo bem ficar triste, tudo bem passar o dia na cama. Só não podemos permitir que isso prejudique nossa saúde física ou nos coloque em risco (seja no trabalho ou a nível de periculosidade mesmo). Chame de dia de folga, de repouso e aceite. Está tudo bem!

Essa necessidade de aparentar estar sempre bem e feliz e saltitante e aproveitando o isolamento social para fazer milhões de faxinas e organizações e descobertas cientificas é uma pressão dos outros e que não te pertence. Foque nos seus sentimentos e no seu próprio tempo. Compreenda e assimile seus sentimentos antes de tudo. Não se culpe e siga em frente. Um passo de cada vez.

Aceitando ajuda



Quem tem depressão enfrenta muitas coisas difíceis todos os dias. Muitas mesmo, mas tem uma que levei anos pra aprender a lidar e ainda enfrento alguns perrengues: aceitar ajuda dos outros. Qualquer que seja a ajuda. Dava uma sensação de impotência e incapacidade, como se aceitar a ajuda de alguém automaticamente me transformasse num fracasso.

As coisas não deveriam ser dessa forma. Compreender que quem gosta da gente quer estar por perto e nos apoiar leva um tempo. Achamos que fazem por obrigação ou estão tentando compensar algo... Até o medo de karma eu já cheguei a considerar! Absurdos a parte, lembrar que nenhum ser humano é uma ilha talvez seja o primeiro passo.

Não nascemos sozinhos e logo nos primeiros anos de formação somos inseridos no convívio com a sociedade na escola. Lá aprendemos a respeitar os colegas, os professores, aceitar os ensinamentos e ajudar os amigos. Tudo isso segue conosco pelo resto da vida. No ambiente de trabalho, nos relacionamentos, até mesmo a ajuda de estranhos as vezes quando precisamos de uma informação.

Agora eu pergunto: por que é tão difícil acreditar que alguém pode realmente gostar de você e apenas te querer bem? Essas pessoas existem. Abra os olhos, aceite e seja grato. Existem pessoas que te querem bem.

Aceitação



Uma das coisas mais difíceis da vida é lidar com "a hora certa". Entender e aceitar o fato de que tudo vai acontecer na hora que tem que acontecer e não importa o que você faça. Você pode tentar acelerar as coisas dá forma que der e ainda assim não funcionar. Como também pode deixar pra lá e tudo simplesmente acontecer. Existe o momento certo e a hora certa pra tudo.

Como saber qual é essa hora certa? Como saber que ela chegou? E como lidar com o fato de não poder fazer muita coisa para mudar isso. É tudo confuso afinal tem gente que acha que controla seu próprio destino assim como tem pessoas que acreditam em destino e que tudo já está traçado. Eu sou do tipo que acredito meio a meio.

É como se existisse um mapa e a certa altura você tem que tomar uma decisão e você pode seguir por dezenas de caminhos diferentes depois de tomar essa decisão e outra lá na frente da mesma forma com implicações e reações diferentes. Ficou um pouco confuso, mas é por aí. Imagine a vida como se fosse as ramificações de uma folha. São inúmeras!

Lidar com essa espera é que complica. Quando tudo o que você mais quer é fazer com que tudo aconteça AGORA. Resolver todos os passos, organizar tudo que é necessário, solucionar pormenores. É cansativo e por muitas vezes parecemos nos distanciar mais do que queremos. Então tudo pode acontecer ou não. E é isso. Aprender a aceitar que a vida não é exatamente como queremos e as coisas não acontecem exatamente quando desejamos. É difícil, mas que tal apenas focar no agora?