6 de abril de 2011

Filme da vida



Só porque alguém especial me disse...

"Se encaro a vida como um filme percebo que, como protagonista, só é importante o que e quem eu considero relevante. A massa restante é apenas um vulto colorido; figurantes. Então... Preocupar-se com a opinião de terceiros passa a se tornar tão desnecessário. Pois o segredo que poucos sabem é que o mundo não é tudo... O mundo é só um cenário". [J] Garotto (Todos os direitos reservados a ele! Clique no nome e conheça seu blog.)

E isso me deixou pensando bastante nos últimos acontecimentos. No filme da minha vida quem sou eu? Qual o meu papel? Algumas raras vezes me senti a heroína, que chega no momento exato e tira alguém de uma enrascada. Na maioria dos filmes sou apenas o personagem que faz graça, faz todos rirem nos momentos mais inoportunos. Mas eu nunca sou a protagonista. Sou sempre a coadjuvante, apareço quando os protagonistas das suas próprias vidas precisam. Participo de vários filmes, alguns curtas... Alguns longas mas no fim acabo sempre ali, sentada na última fileira assistindo um final feliz que não me pertence, comendo uma pipoca murcha, o refrigerante sem gás, o chiclete já sem sabor e admirando o "The End" na tela com os olhos marejados, imaginando o dia em que eu serei a protagonista, em que terei o controle do filme da minha vida e que terei meu final feliz. Quem sabe um dia...


Amor Platônico - Legião urbana

Eu sou apenas alguém
Ou até mesmo ninguém
Talvez alguém invisível
Que a admira a distância
Sem a menor esperança
De um dia tornar-me visível

E você?
Você é o motivo
Do meu amanhecer
E a minha angústia
Ao anoitecer

Você é o brinquedo caro
E eu a criança pobre
O menino solitário que quer ter o que não pode
Dono de um amor sublime
Mas culpado por querê-la
Como quem a olha na vitrine
Mas jamais poderá tê-la

Eu sei de todas as suas tristezas
E alegrias
Mas você nada sabes
Nem da minha fraqueza
Nem da minha covardia
Nem sequer que eu existo
E como um filme banal
Entre o figurante e a atriz principal
Meu papel era irrelevante
Para contracenar
No final
No final
No final

4 comentários:

  1. Mas o problema é que nem sempre somos o protagonista. Senão não teria graça, né? Algumas vezes somos o protagonista, e em outras somos a plateia.
    :*

    ResponderExcluir
  2. Impossível! Estamos escrevendo o roteiro desse seu filme todo dia... E muito obrigado por me considerar importante na sua história. Nossas vidas podem, sim, ser drama, comédia, suspense, terror, ação, aventura, musical (e porque não trash... =^^=). Continuando com Legião Urbana eu convido: "Vamos Fazer Um Filme"?

    Kisses by U Fallen Archangel.
    And Thanks for be very special in my life.

    ResponderExcluir
  3. At Flanders.

    Mas na NOSSA vida.. devemos ser os protagonistas... e não a platéia e ver toda a nossa vida passando diante de nossos olhos.. ou não teria graça! =D

    ResponderExcluir
  4. Você nunca é plateia no filme da sua vida... Até um não participar é opção que muda todo o desenrolar... Você e eu sabemos. Depois que #Marçal usa demência em nós nunca mais fechamos os olhos. =^^= Depois que eu vi o Caos em você sei que nunca serás parte de uma letra de pagode ("... Deixo a vida me levar... Vida leva eu...").

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo comentário! Não esquece de se identificar... Fico curiosa com anônimos! ;)