7 de maio de 2011

Em tons de cinza


Hoje abri os olhos e de tons de cinza tudo pareceu possuído. Nada mais tinha brilho ou cor ou parecia me demonstrar um motivo para continuar e erguer meu corpo da cama, sem muita opção de escolha e com muito sacrifício afastei meu corpo das cobertas que tão bem me acolhiam. De passagem vejo meu reflexo no espelho, mesmo embaçado consigo ver os olhos inxados e a expressão que a muito não me olhava de volta com tamanho desagrado. A lembrança do que foi apenas mais um sonho. O nó me sobe na minha garganta e com muito sacrifício consigo suprimir o choro mais uma vez. Até quando? Mal senti a água tocar meu corpo, a comida me pareceu desnecessária e tudo seguia numa rotina tabelada, as mesmas coisas, nas mesmas horas, com a mesma precisão já automatizada.

Lá fora até o tempo parece condizer com meu interior, o sol parece ter sentido vergonha de sair, ou achado também desnecessário. Sorte dele ter as nuvens para mante-lo seguro. Andar por lugares que me trazem lembranças, antes eram motivos de sorriso, agora assemelham-se a farpas que rasgam meu peito. Mais uma vez o nó que me interrompe a fala, auto controle era a base do sucesso para essa sociedade. "Sorrisos plásticos cumprindo seu papel, enfeitando rosto de pedra"... Sempre gostei desse pequeno trecho e não existe frase melhor para definir os momentos pelos quais passo. E assim os dias seguem... Nada faz sentido, nada tem mais lógica, momentos sem razão e apenas no silêncio da noite o nó em minha garganta pode finalmente ser libertado.


Âncora - Libra

Dentro do meu mar é onde ela está
Presa nos meus pés, ela não quer me ver partir
Dentro do meu mar, onde ela está
Tão profundo, tão escuro que eu não quero ir

E eu já sinto meu corpo afundar
E eu me esforço para não me afogar
Cada vez mais no fundo do mar
Com ela...

E se eu disser que eu não te quero
Que aqui não é o meu lugar
Será que assim você me solta
Ou eu vou ter que me soltar à força?

E eu já sinto meu corpo afundar
E eu me esforço para não me afogar
Cada vez mais no fundo do mar
Com ela...

E eu já sinto meu corpo afundar
E eu me esforço para não me afogar
Cada vez mais no fundo do mar
Com ela...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita e pelo comentário! Não esquece de se identificar... Fico curiosa com anônimos! ;)