21 de março de 2013

Salve-me


Salve-me. É com esse apelo desesperado que começo mais um dia. Não sei bem para quem ou o que direciono meu apelo... Olho em volta e tento analisar as opções: talvez para o sol que apesar de tudo insiste em nascer e devolver as cores que tirei do meu mundo ou para o vento frio que me joga novamente sob as cobertas e elas apenas me acolhem me prendendo em meu sofrimento. Salve-me. Posso parecer insistente mas é o que a necessidade obriga, torço para que o dito seja finalmente ouvido. Salve-me. Apelo mais uma vez e mais uma vez o socorro não vem. Salve-me. E dessa vez escuto em minha própria voz que não existe saída. 

10 de março de 2013

No fundo...



E então, você passou por mim. Eu sabia que estava a caminho do fundo do poço pois eu já estive lá. Conheci muito bem a escuridão e foram longos anos até conseguir galgar até a metade do caminho, eu sabia que não poderia desistir agora mas no breve instante em que meu olhar cruzou com o seu, eu pude ver seu desespero e sua dor. Soltei a parede limosa, desisti do meu breve sucesso e deixei a gravidade levar meu corpo até o fundo do poço junto ao seu.