10 de setembro de 2015

Sobre me afogar...


Como funciona isso aqui mesmo? Alô, tá gravando? Claro que não. Afinal, estou escrevendo e buscando uma forma de interagir com as pessoas que irão ler (irão?), mas o que busco quando escrevo? Colocar os sentimentos para fora? Isso deveria ser mais fácil. Simplesmente chegar e chorar talvez resolvesse, mas eu preciso ver o cursor correndo pela página em branco e o silêncio ser preenchido com o som das minhas unhas sobre as teclas. Isso me lembra de que preciso cortá-las e isso me lembra de que você as prefere grandes e isso me lembra de tantos momentos que passamos e isso me lembra de que nada disso existirá mais.



Fico tentando entender como um pensamento pode puxar o outro desse jeito. Algo que me surpreendia começa a me assustar. Não importa o que eu pense, no fim, você é o último pensamento. Se olho para o lado, vejo as canetas que comprei com tanta empolgação enquanto você segurava a cestinha e se divertia enquanto escolhia as cores. Se olho para o outro, vejo o pequeno chaveiro que comprei pensando em te dar e que com o fim, ficou escondido no fundo da bolsa e agora faz companhia para as outras miniaturas também carregadas de lembranças.

Lembranças e mais lembranças, não sei em que ponto elas passaram a ser dolorosas e depois voltaram a ser boas e dolorosas de novo e boas novamente e de novo e novamente e tudo num ciclo sem fim. Ciclo que poderia chegar ao fim. Tudo deveria simplesmente passar e acabar. Um simples botão e pronto. Tudo ficava para trás. Isso funciona melhor quando se quer deixar as coisas para trás, mas ainda te sinto como uma âncora e por mais que queira chegar à superfície, vou ficar mais um pouco aqui no fundo desse mar de lembranças com você.

2 comentários:

  1. Realmente espero que o tempo traga a sabedoria pra divergências da vida, superação é a palavra chave para qualquer etapa do crescimento pessoal, e enquanto se manter presa estará incapacitada de se levantar, não se prenda em lembranças, memorias, pensamentos... não digo para fugir ou deixar tudo para trás, apenas covardes dão as costas para a realidade e tentam um escape.
    Se apegue em você mesma e não em objetos, seja sua força, teu desejo, sua auto motivação, guarde consigo o principio da resiliência que a vida tanto te exige e que sei que aprendeu.
    Passar bem.
    L.H.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo comentário! Não esquece de se identificar... Fico curiosa com anônimos! ;)